Crie seu próprio Site Grátis! Templates em HTML5 e Flash, Galerias em 2D e 3D, Widgets, Publicação do Site e muito mais!
Site do Guilherme Augusto Paim

Votaçao
Qual site voce mais entra
Orkut
Globo esporte
Baixaki
Baixae
Pop
Google
Globo
Megaupload
Ver Resultados

Rating: 1.2/5 (2162 votos)




ONLINE
1





Fontes de alimentação

Fontes de alimentação

 

Embora muitas vezes relegada a segundo plano, a fonte de alimentação é um dos componentes mais importantes de qualquer PC atual, já que a qualidade da fonte está diretamente relacionada à estabilidade, possibilidades de expansão e até mesmo à durabilidade do conjunto. Tendo isso em vista, não é de se estranhar toda a atenção em torno de fontes de grande capacidade e de toda a tecnologia relacionada a elas.

 

Embora muitas vezes relegada a segundo plano, a fonte de alimentação é um dos componentes mais importantes de qualquer PC atual, já que a qualidade da fonte está diretamente relacionada à estabilidade, possibilidades de expansão e até mesmo à durabilidade do conjunto.

O papel da fonte na estabilidade está relacionado ao fato de que ela é a responsável por fornecer energia aos componentes. Tensões mais baixas que o ideal, ou excesso de variações (ripple) podem levar a travamentos e problemas gerais de estabilidade. Outra função da fonte é atenuar variações na corrente da tomada, absorvendo picos de tensão e mantendo o PC funcionando quando a tensão cai momentaneamente (ao ligar o chuveiro, por exemplo).

 

 

 

 

 

m1c5ede47

 

Um fornecimento inadequado ou instável de energia causa também danos cumulativos no processador, módulos de memória, circuitos de regulação da placa-mãe e outros componentes, levando a problemas prematuros. Um PC perfeitamente saudável, pode apresentar problemas em apenas um ou dois anos se usado em conjunto com uma fonte de baixa qualidade.

Finalmente, temos as possibilidades de expansão, que estão relacionadas à capacidade da fonte, um fator que vem recebendo cada vez mais atenção, acompanhando o aumento no consumo elétrico dos PCs. Qualquer PC mediano, com um processador quad-core ou uma placa 3D um pouco mais parruda pode facilmente exceder a capacidade de fornecimento de uma fonte genérica, fazendo com que ela desligue durante o boot, ou simplesmente exploda, causando danos aos componentes.

Tendo isso em vista, não é de se estranhar toda a atenção em torno de fontes de grande capacidade e de toda a tecnologia relacionada a elas. Tipicamente, os problemas da fonte se acentuam com o aumento na carga, por isso é tão comum que fontes de baixa qualidade "abram o bico" depois de upgrades que aumentam o consumo do PC.

 

Como as fontes funcionam

 

Você pode imaginar a corrente alternada da tomada como uma onda, que oscila 60 vezes por segundo, onde a energia é transmitida através de pulsos, em oposição à corrente contínua usada por circuitos eletrônicos. O uso de corrente alternada reduz brutalmente a perda durante a transmissão a longas distâncias, o que a torna ideal para uso na rede pública.

Aparelhos domésticos como ventiladores, geladeiras e aquecedores trabalham muito bem com corrente alternada, mas aparelhos eletrônicos em geral precisam que ela seja transformada em corrente contínua, o que nos leva à fonte de alimentação.

A função básica da fonte de alimentação (ou PSU, de "power supply unit") é transformar a corrente alternada da rede elétrica em corrente contínua, filtrar e estabilizar a corrente e gerar as tensões de 3.3V, 5V e 12V fornecidas aos demais componentes.

Tudo começa com um estágio de filtragem. Ele tem duas funções: "filtrar" a energia que vem da tomada, removendo ruído e atenuando picos de tensão e ao mesmo tempo evitar que o ruído gerado por componentes da fonte (em especial os transístores que fazem o chaveamento) chegue à rede elétrica, interferindo com outros aparelhos.

Nas boas fontes ele é tipicamente dividido em dois sub-estágios, com parte dos componentes soldados a uma pequena placa de circuito presa ao conector de força e os demais instalados na placa principal, próximos aos pontos de solda dos dois cabos de energia provenientes do primeiro sub-estágio:

62289dde

Os componentes do filtro incluem tipicamente duas bobinas (L1 e L2), um varístor (encarregado de absorver picos de tensão), que nessa foto está escondido entre a bobina da direita e os fios de energia, um ou dois capacitores X (que usam um encapsulamento retangular, amarelo) e um par de capacitores Y (eles são azuis, parecidos com os varistores dos filtros de linha).

Embora importante, é comum que o estágio de filtragem seja simplificado nas fontes de baixa qualidade, o que é um risco. Nesse caso, é comum que a placa conserve espaços vazios ou sejam usadas pontes (pedaços de fio usados para fechar contato) no lugar de vários dos componentes.

 

Primário e secundário

 

Depois do filtro, chegamos aos circuitos de conversão, que se encarregam do trabalho pesado. Eles são divididos em dois estágios, que são convenientemente chamados de primário e secundário. Cada um deles ocupa uma das metades da fonte, separados pelo transformador principal (a grande bobina amarela), que quase sempre fica bem no meio da fonte.

O estágio primário fica do lado esquerdo, que inclui o capacitor primário, os transístores de chaveamento e um ou dois dos dissipadores, enquanto o secundário domina o lado direito, de onde saem os fios de alimentação:

 

 

 

 

 

6cd046c2

Em geral, as fontes incluem apenas dois dissipadores metálicos, um para cada um dos dois estágios. Essa CX400W das fotos usa um dissipador separado (à esquerda) para o circuito de PFC, por isso ela tem três no total.

Continuando, o estágio primário inclui também a ponte retificadora (o componente maior, preso a um dos dissipadores), um circuito de filtragem e o circuito chaveador. A função deles é retificar e aumentar a frequência da corrente, gerando uma corrente de alta frequência (acima de 100 kHz, contra os 60 Hz da tomada), com ondas quadradas, que é então enviada ao transformador.

A ideia é reduzir o intervalo entre os ciclos, o que reduz o trabalha necessário para transformá-la em corrente contínua, eliminando a necessidade de usar grandes transformadores, como em fontes antigas. Isso faz com que as fontes chaveadas sejam não apenas muito mais leves e baratas do que as antigas fontes lineares, mas também bem mais eficientes. Hoje em dia, até mesmo as fontes de celulares são fontes chaveadas.

Continuando, a ponte retificadora, juntamente com os transístores de chaveamento (MOSFETs) inevitavelmente transformam uma boa parte da energia em calor, justamente por isso são presos a um dos dissipadores metálicos. Quando falamos em "transístores" vem à mente a imagem dos transístores minúsculos que formam os processadores, mas a necessidade de lidar com cargas elevadas faz com que os MOSFETs sejam bem maiores:

 

m5fb325ff

Em seguida temos o transformador, que tem a função de reduzir a tensão, produzindo uma corrente de 12V (ainda alternada e de alta frequência), que é enviada ao estágio secundário da fonte. Como pode imaginar, o segundo estágio tem a função de "terminar o serviço", convertendo a corrente alternada de alta frequência fornecida pelo transformador em corrente contínua, utilizando um segundo conjunto de circuitos de retificação e um novo circuito de filtragem, que inclui as bobinas e os vários pequenos capacitores:

m41ce7d82

 

 

Observações e dicas

 

Assim como no caso dos transístores do estágio primário, os MOSFETs e retificadores usados no estágio secundário dissipam bastante calor, por isso são conectados a mais um dissipador metálico.

A maioria das fontes usam também um segundo transformador (bem menor), que é usado para gerar as tensões de 5V e 3.3V da fonte, mas alguns projetos utilizam conversores DC-DC (veja mais detalhes a seguir) para gerá-las a partir da saída do transformador principal, simplificando o projeto.

Fontes antigas usam três transformadores em vez de dois. Este terceiro transformador é usado para isolar eletricamente o controlador PWM. Nas fontes mais atuais ele é substituído por três optoacopladores (um tipo de circuito integrado simples, que inclui um LED e um fototransistor), que desempenham a mesma função, mas de maneira mais eficiente.

Temos aqui uma fonte genérica antiga, que usa o layout com três transformadores. Você pode notar que ela usa bem menos componentes, com transformadores, bobinas e capacitores bem menores, que acompanham a baixa capacidade de fornecimento:

 

 

5907d352

O controlador PWM é um pequeno chip encarregado de monitorar as tensões de saída da fonte e ajustar a frequência do circuito chaveador para compensar qualquer variação. Nas fontes atuais é comum que seja usado um único chip, combinando as funções de controlador PWM e circuito de PFC, sobre o qual falarei mais logo adiante:

m29596385

É bastante comum que os fabricantes usem as características dos capacitores como ferramenta de marketing, anunciando que a fonte usa "capacitores japoneses" ou "capacitores de classe industrial". Naturalmente, é bem melhor que a fonte use capacitores da Hitachi do que de algum fabricante chinês desconhecido, ou que eles sejam certificados para trabalharem a até 105°C em vez de 85°C, por exemplo, mas essa é uma característica que não deve ser levada ao pé da letra.

Os dissipadores também não são necessariamente um indício da qualidade da fonte, já que eles são dimensionados de acordo com a capacidade, eficiência e a potência do exaustor. Uma fonte pode possuir dissipadores grandes e pesados simplesmente por ter um baixo nível de eficiência (e consequentemente dissipar mais calor) ou usar dissipadores modestos por que o fabricante conseguiu desenvolver uma fonte mais eficiente (menos calor para dissipar), ou optou por aumentar a velocidade de rotação do exaustor (mais barulho).

Muitas das etapas de produção da fonte são feitas manualmente, por isso é muito comum encontrar braçadeiras, soldas manuais e até mesmo componentes presos com cola quente, mesmo nas fontes de boa qualidade. É justamente por isso que a grande maioria das fontes são produzidas em países da ásia, onde a mão de obra é mais barata (assim como no caso dos processadores, memórias e quase todos os demais produtos eletrônicos hoje em dia).

Construir uma fonte de alimentação é relativamente simples (muito mais do que produzir um processador ou uma GPU, por exemplo) e a tecnologia é bem conhecida e bem documentada. O grande problema é que fontes de qualidade são caras de se construir, o que obriga os fabricantes a fazerem opções com relação à capacidade e à qualidade dos componentes usados, ao mesmo tempo em que tentam diferenciar seus produtos em relação aos oferecidos pelos concorrentes.

Isso faz com que as fontes sejam a classe de periféricos onde mais existe variação de qualidade e de preço. De um lado, temos fontes genéricas de 30 reais e do outro fontes de alta capacidade que podem custar quase 1000 reais. Como sempre, as melhores opções estão entre os dois extremos, mas nem sempre é fácil encontrá-las.

 

A importância do PFC

 

Ao comprar um nobreak (ou um estabilizador, caso você ainda viva na década de 1980), a capacidade é sempre informada em VA (Volt-Ampere) e não em watts. Em teoria, um nobreak de 600 VA seria capaz de suportar uma carga de 600 watts, mas na prática ele muitas vezes acaba mal conseguindo manter dois PCs que consomem 200 watts cada um. Se você adicionasse mais PCs até totalizar os 600 watts, ele desligaria devido ao excesso de carga.

Essa diferença ocorre por que a capacidade em VA é igual ao fornecimento em watts apenas em situações onde são ligados dispositivos com carga 100% resistiva, como é o caso de lâmpadas incandescentes e aquecedores.

Sempre que são incluídos componentes indutivos ou capacitivos, como no caso dos PCs e aparelhos eletrônicos em geral, a capacidade em watts é calculada multiplicando a capacidade em VA pelo fator de potência da carga.

A maioria das fontes de alimentação genéricas, assim como fontes antigas, trabalham com um fator de potência de 0.65 ou menos (não confunda "fator de potência" com "eficiência", que é outra coisa completamente diferente). Isso significa que um nobreak de 600 VA suportaria, em teoria, um PC que consumisse 400 watts, utilizando uma fonte de alimentação com fator de potência de 0.65.

Como é sempre bom trabalhar com uma boa margem de segurança, um conselho geral era dividir a capacidade em VA por 2. Assim, um nobreak de 600 VA suportaria um PC com consumo total de 300 watts/hora com uma boa margem.

A partir de 2004/2005 começaram a surgir no mercado as fontes com PFC ("Power Factor Correction", ou "fator de correção de potência") implementado através de um circuito adicional que reduz a diferença, fazendo com que o fator de potência seja mais próximo de 1. Na verdade, é impossível que uma fonte trabalhe com fator de potência "1", mas muitas fontes com PFC ativo chegam muito perto disso, oferecendo um fator de potência de até 0.99.

Dentro da fonte, o circuito de PFC ativo é composto por uma pequena placa de circuito vertical, quase sempre posicionada próxima ao capacitor primário (algumas fontes com PFC ativo podem utilizar dois capacitores quando existem restrições com relação ao espaço para um único grande capacitor, mas elas são raras), contendo o controlador e vários componentes adicionais espalhados pela fonte. Alguns controladores populares (sobre os quais você pode pesquisar se estiver curioso) são o ML4800 e o CM6800.

6e51b192

Na maioria dos casos, você encontra também uma placa secundária ligeiramente menor, que inclui os circuitos de proteção contra subtensão e sobretensão, proteção contra sobrecarga e/ou controle de rotação do exaustor, que são ligados a um diodo térmico instalado em alguma posição estratégica:

28caac15

Embora o PFC não tenha uma relação direta com a capacidade ou com a eficiência da fonte, ele oferece várias vantagens. A primeira é que o consumo em VA fica muito próximo do consumo real, em watts, de forma que você não precisa mais superdimensionar a capacidade do nobreak. Usando fontes com FPC ativo, você realmente poderia usar uma carga próxima de 600 watts no nobreak de 600 VA do exemplo.

Outra vantagem no uso do PFC é uma redução expressiva na emissão de ruído e interferência eletromagnética por parte da fonte, o que evita problemas diversos. Ele isola parcialmente os demais circuitos da fonte da rede elétrica, o que torna a fonte menos susceptível a variações e reduz a possibilidade de componentes do PC serem queimados por causa de picos de tensão. Ou seja, embora esta não seja sua função, o circuito de PFC acaba servindo como um dispositivo adicional de proteção.

Mais uma vantagem é que o circuito é capaz de ajustar automaticamente a tensão de entrada, permitindo que a fonte opere dentro de uma grande faixa de tensões, indo normalmente dos 90 aos 264V. Não apenas o velho seletor de voltagem é eliminado, mas também a fonte passa a ser capaz de absorver picos moderados de tensão e de continuar funcionando normalmente durante brownouts (onde a tensão da rede cai abaixo da tensão normal) de até 90V.

Caso você ainda use um estabilizador, saiba que com o PFC ele perde completamente a função, já que a fonte passa a ser capaz de ajustar a tensão de entrada de maneira muito mais eficiente que ele. Mesmo ao usar fontes genéricas, a utilidade de usar um estabilizador é discutível, mas ao usar com uma com PFC ativo, o estabilizador só atrapalha. Na falta de um nobreak, o melhor é utilizar um bom filtro de linha.

A presença do PFC é também um bom indício de que se trata de uma fonte de boa qualidade, que provavelmente opera com uma boa eficiência. Fontes genéricas não possuem PFC, já que os circuitos representam um custo adicional.

Uma observação importante é que existem dois tipos de circuitos de PFC: passivos e ativos. Os circuitos de PFC passivos são os mais simples, compostos basicamente por um conjunto adicional de indutores capacitores. Eles melhoram o fator de potência da fonte, elevando-o para até 70 ou 80%, o que é melhor do que nada, mas ainda não é o ideal. Os circuitos de PFC passivo são muito usados em fontes de celular e outros dispositivos pequenos (eles são um pré-requisito mínimo nos países da União Europeia) mas caíram em desuso nas fontes para PC, onde são encontrados apenas em fontes baseadas em projetos antigos.

Os circuitos de PC ativo, por sua vez, são compostos por componentes eletrônicos, incluindo um circuito integrado, FETs e diodos, que operam de maneira muito mais eficiente, elevando o fator de potência para 95 ou até mesmo 99%, praticamente eliminando a diferença entre watts e VA. São eles os mais usados em fontes para PC, já que são necessários para atender aos requisitos do 80 PLUS.

 

 

A questão da eficiência

 

Assim como no caso de um chuveiro elétrico, a maior parte do custo de uma fonte de alimentação não está no custo do produto propriamente dito, mas sim na energia desperdiçada por ela ao longo da sua vida útil. Qualquer fonte, por melhor que seja, desperdiça energia durante o processo de conversão e retificação, energia essa que acaba "indo pelo ralo" na forma de calor dissipado pelo exaustor.

A eficiência é o percentual de energia que a fonte consegue realmente entregar aos componentes, em relação ao que puxa da tomada. Ela não tem relação com a capacidade real de fornecimento da fonte (ou seja, uma fonte de 450 watts de boa qualidade deve ser capaz de fornecer os mesmos 450 watts, seja a eficiência de 65% ou de 90%), mas uma baixa eficiência indica que a fonte vai não apenas desperdiçar energia no processo, mas vai também produzir muito mais calor, o que significa um PC mais quente e mais barulhento.

Com os PCs consumindo cada vez mais energia, a eficiência da fonte tem se tornado um fator cada vez mais importante, já que está diretamente relacionado ao consumo total do micro.

Um PC cujos componentes internos consumam 200 watts em média (sem contar o monitor, já que ele não é alimentado pela fonte de alimentação), acabaria consumindo 307 watts se usada uma fonte com 65% de eficiência. Ao mudar para uma fonte com 80% de eficiência, o consumo cairia para apenas 250 watts. Caso você conseguisse encontrar uma fonte com 90% de eficiência (elas são raras, mas lentamente estão se tornando mais comuns) o consumo cairia mais um pouco, indo para os 225 watts.

Fontes genéricas de uma maneira geral trabalham com um nível de eficiência bastante baixo, na maioria dos casos na faixa dos 60 a 65%, já que a prioridade dos fabricantes é reduzir os custos e não melhorar a eficiência do projeto. Por outro lado, a maioria das fontes de qualidade da safra atual são capazes de trabalhar acima dos 80%, uma diferença que ao longo do tempo acaba se tornando bastante considerável.

Basta fazer as contas. Tomando como base um PC de configuração modesta, que consumisse uma média de 100 watts e ficasse ligado 12 horas por dia, teríamos o seguinte:

  • Fonte com 65% de eficiência:

    • Consumo médio: 152.3 watts/hora
    • Consumo total ao longo de 12 meses: 667 kilowatts-hora
  • Fonte com 80% de eficiência:

    • Consumo médio: 125 watts/hora
    • Consumo total ao longo de 12 meses: 547 kilowatts-hora

Dentro do exemplo, tivemos uma redução de 120 kWh, que (tomando como base um custo de 44 centavos por kWh) correspondem a 53 reais. Se o PC ficar ligado continuamente, ou se levarmos em conta o consumo ao longo de dois anos, a economia já vai para 106 reais, o que começa a se tornar uma redução significativa.

Ao usar um PC mais parrudo, com um processador quad-core e uma placa 3D mais parruda, o consumo pode chegar facilmente aos 300 watts, o que poderia levar a diferença aos 300 reais anuais, o que é um valor mais do que significativo.

Isso faz com que, na maioria dos casos, fontes de boa qualidade, que ofereçam uma eficiência de 80% ou mais acabem saindo mais barato a longo prazo do que fontes genéricas, que podem ter um custo inicial pequeno, mas que acabam comendo toda a diferença a longo prazo na forma de um aumento mensal na conta de luz. Fazendo as contas, você vai chegar à conclusão que fontes mais caras, porém mais eficientes, podem acabar saindo bem mais barato a longo prazo, mesmo desconsiderando todos os outros fatores.

Outro fator a considerar dentro da ideia do custo é a questão da durabilidade. Muita gente troca de fonte sempre que faz algum upgrade significativo no PC ou quando a fonte parece estar ficando "velha", o que não é necessário em absoluto ao usar uma fonte de boa qualidade. A maioria dos bons produtos possuem um MTBF de 60.000 horas (o que equivale a quase 7 anos de uso ininterrupto) e, mesmo assim, o valor se aplica mais ao exaustor (que é o único componente móvel) e não à fonte propriamente dita. Se você somar o custo de três ou quatro fontes genéricas substituídas prematuramente, vai acabar chegando ao preço de uma fonte melhor.

O menor consumo também aumenta a autonomia do nobreak, já que, com menos carga, as baterias durarão mais tempo. Isso pode levar a outras economias, já que reduz a necessidade de usar baterias externas, ou de usar um nobreak de maior capacidade.

Chegamos então a uma segunda questão, que é como diferenciar as fontes de maior e menor eficiência, já que mesmo muitas fontes consideradas "boas", como a SevenTeam ST-450P-CG (que em 2009 custava custava mais de 200 reais) trabalham abaixo dos 70% de eficiência. Chegamos então ao 80 PLUS.

 

 

80 PLUS

 

Embora muito se fale sobre as capacidades das fontes, a preocupação com a eficiência é um fator relativamente recente, que pegou carona na tendência geral em busca de componentes de baixo consumo. Não adianta muito fazer malabarismos para reduzir a tensão ou o clock do processador para economizar energia, se a fonte desperdiça mais de um terço de toda a energia que recebe da tomada.

O grande problema é como separar o joio do trigo, já que os fabricantes de fontes são especialmente criativos na hora de inflar as capacidades ou enrolar com relação ao percentual de eficiência. Quem nunca comprou uma fonte genérica de "450 watts" por 40 reais, que atire a primeira pedra... :)

O 80 PLUS é um programa de certificação, que faz parte do programa Energy Star (que existe desde 1992 e é atualmente adotado por diversos países, incluindo a União Europeia, Japão, EUA, Taiwan, Canadá e outros). O Energy Star foi o responsável pela introdução de recursos como o desligamento do monitor e dos HDs depois de algum tempo de inatividade, entre diversas outras funções "verdes" que são encontradas nos PCs atuais. O 80 PLUS é um programa de certificação para fontes, que atesta que ela é capaz de manter uma eficiência de pelo menos 80% em três níveis de carregamento: 20%, 50% e 100%.

Complementarmente, ela deve oferecer também um fator de potência de 90% ou mais com 100% de carregamento, o que torna obrigatório o uso de PFC ativo (veja mais detalhes a seguir). Além de pesquisar pelas fontes com o selo, você pode também consultar uma lista com todas as fontes certificadas no: http://80plus.org/manu/psu/psu_join.aspx

Para cada fonte, está disponível um PDF com os resultados dos testes, que serve como uma espécie de "mini-review" da fonte, feito em condições controladas. Nele você pode ver o gráfico com a eficiência em cada um dos três níveis e as especificações detalhadas:

m2424d4da

Uma observação é que os testes do 80 PLUS são realizados com temperatura ambiente de 23 graus, o que corresponde à realidade de muitos países da Europa, mas não da maioria dos estados do Brasil (e provavelmente não dentro do seu PC). Como tanto a eficiência quanto a capacidade efetiva da fonte são ligeiramente afetadas pelo aumento da temperatura, os números obtidos na prática podem ser ligeiramente diferentes, com a fonte apresentando uma eficiência 2 ou 3% menor do que a exibida no teste do 80 PLUS, por exemplo.

Entretanto, não existem motivos para pânico com relação à capacidade de fornecimento da fonte, pois para trabalhar com 80% de eficiência ou mais com 100% de carregamento, a fonte precisa na verdade ser dimensionada para oferecer uma capacidade substancialmente maior. Ao usar a fonte com uma temperatura ambiente mais alta, ela pode trabalhar mais perto do limite, ficar um pouco mais barulhenta (devido ao aumento na velocidade de rotação do exaustor) e oferecer uma eficiência ligeiramente mais baixa, mas ainda dentro de um nível aceitável de segurança.

Em um esforço para diferenciar seus produtos, muitos fabricantes incluem nas especificações a temperatura na qual a capacidade nominal é garantida, especificando que a fonte é capaz de fornecer 450 watts a 45°C, por exemplo, o que é um argumento a mais a favor da qualidade do modelo.

Continuando, inicialmente, a certificação era inteiramente facultativa, mas a partir de 2007 ela passou a fazer parte do Energy Star 4.0, o que acelerou bastante a adoção por parte dos fabricantes, já que atender ao padrão é um pré-requisito para vender para muitas grandes empresas e entidades governamentais.

O selo "80 PLUS" é sempre colocado em local visível na caixa e também na página do fabricante, o que o torna uma forma simples de diferenciar as fontes de qualidade das genéricas ou semi-genéricas.

Além de atestar a eficiência, ele atesta também que a fonte é capaz de realmente operar dentro da capacidade máxima com uma certa folga, o que põe fim ao velho engodo dos fabricantes em divulgarem a capacidade de pico e não a capacidade real.

Construir fontes capazes de atingir os 80% de eficiência a 100% de carregamento é uma tarefa difícil, por isso não faz sentido que um fabricante produza uma fonte capaz de atingir a marca e deixe de submetê-la ao processo de certificação. Se uma fonte promete "85% de eficiência", mas não possui o selo, é bem provável que o fabricante esteja mentindo, ou que os 85% sejam atingidos apenas em situações ideais.

Um bom exemplo é a polêmica Huntkey 350 Green Star, uma "semi-genérica" que foi muito vendida no Brasil como um modelo de baixo custo. O PDF com as especificações divulgado pela Huntkey fala 85% de eficiência, mas a seguir fala em 70% de eficiência mínima em full-load, o que indica que na verdade a fonte trabalha com uma eficiência muito mais baixa:

78ca8cc5

De fato, este modelo também não é capaz de fornecer os 350 watts prometidos à temperatura ambiente (e ela realmente explode perigosamente ao tentar fazê-lo), o que explica a falta do selo.

Em 2008 foram criadas três certificações complementares, que são conferidas às fontes que são capazes de atingir níveis ainda mais altos de eficiência:

  • 80 PLUS Bronze: 82% de com 20% de carga, 85% com 50% e 82% com 100%
  • 80 PLUS Silver: 85% de com 20% de carga, 88% com 50% e 85% com 100%
  • 80 PLUS Gold: 87% de com 20% de carga, 90% com 50% e 87% com 100%

80plus

Uma observação importante é que as fontes atingem o nível máximo de eficiência em torno dos 50% de carregamento, apresentando eficiências ligeiramente mais baixas tanto com pouca carga, quanto com muita carga. É justamente por isso que o o 80 PLUS Gold exige 90% de eficiência apenas nos 50%. Este é um exemplo de curva de eficiência em uma fonte 80 PLUS:

55160e52

O nível que as fontes são menos eficientes é abaixo dos 20%, quando não apenas a eficiência é mais baixa, mas também o fornecimento é menos estável. Uma analogia tosca poderia ser feita com relação a um motor à gasolina, que é eficiente em rotações médias e altas, mas engasga em baixa rotação.

Ironicamente, esta peculiaridade com relação ao fornecimento é um fator que faz com que muitas fontes genéricas se saiam melhor do que deveriam em testes de eficiência. Explico: ao usar uma fonte de 450 watts reais ou mais em um PC de baixo consumo, que passa a maior parte do tempo consumindo apenas 60 ou 70 watts, a fonte passará a maior parte do tempo operando abaixo dos 20% de capacidade, zona em que mesmo as melhores fontes não são muito eficientes. Nessa situação, mesmo uma fonte 80 PLUS pode apresentar resultados desanimadores, já que o programa testa a eficiência da fonte apenas a partir dos 20% e não menos.

Nessa situação, uma fonte genérica com uma capacidade real de 160 ou 200 watts (e provavelmente anunciada pelo fabricante como uma fonte de "450 watts") poderia apresentar uma eficiência similar, já que estaria operando mais próximo aos 50%, zona em que as fontes são mais eficientes.

Em outras palavras, o ideal é sempre dimensionar a fonte de acordo com a capacidade do PC. Ao montar um PC de baixo consumo, prefira fontes 80 PLUS menores, de 300 a 400 watts, que farão um trabalho bem melhor ao alimentarem PCs abaixo dos 100 watts. Assim como em tantos outros casos, a capacidade da fonte deve ser corretamente dimensionada; não é apenas questão de sair comprando a fonte de maior capacidade que encontrar.

Um bom exemplo de fontes de boa qualidade abaixo dos 400 watts são as fontes de 300 a 350 watts da Seasonic, como a SS-300ET e a SS-300ES, que possuem o 80 PLUS Bronze:

ee14d85

31e43198

Apesar da aparência despretensiosa, elas possuem uma qualidade muito boa e são mais baratas que os modelos da Corsair, Zalman e Cooler Master. Elas são ideais para PCs de baixo consumo, pois são capazes de manter uma eficiência acima de 82% com qualquer carga entre 60 e 300 watts, diferente de fontes de capacidade maior, que atingem a faixa dos 80% apenas quando fornecendo 100 watts ou mais.

Apesar de ser relativamente desconhecida, a Seasonic é uma das maiores fabricantes de fontes. Entretanto, a maioria das unidades são produzidas sob encomenda para outros fabricantes, incluindo a Corsair e a Arctic Cooling.

A alternativa seguinte seriam fontes de 400 watts, como a Corsair 400CX, que tem um custo moderadamente acessível e também apresenta uma boa faixa de eficiência entre os 80 e 100 watts.

De volta à eficiência, outra coisa a ter em mente é que embora quase todas as fontes atuais sejam bivolt, elas operam com um nível de eficiência ligeiramente melhor quando ligadas no 220. A diferença varia de acordo com o modelo e a capacidade da fonte, mas está sempre presente:

m360f8843

m388a97b8

Se você mora em uma região com tensão 220, nem pense em usar um transformador para reduzir a tensão antes de fornecê-la ao PC, pois você só vai perder dinheiro e reduzir a eficiência da fonte. Em vez disso, invista em um aterramento adequado e aproveite a vantagem natural oferecida pela concessionária de energia.

 

Distribuição da capacidade

 

Um fator importante ao escolher uma fonte é a distribuição da capacidade entre as tensões de 3.3, 5 e 12V. Micros antigos (até o Pentium III no caso da Intel e até o Athlon soquete A no caso da AMD) utilizam primariamente energia das saídas de 3.3 e 5V (usando a saída de 12V apenas para os drives e exaustores) enquanto os PCs atuais usam quase que exclusivamente a saída de 12V.

Fontes antigas, baseadas no padrão ATX12V 1.3 são dimensionadas para os PCs antigos, fornecendo apenas 12 ou 16 amperes na saída de 12V, o que é insuficiente para os PCs atuais. Um bom exemplo é a Thermaltake HPC-420-102, uma fonte que oferece 420 watts no total, mas que devido à distribuição é capaz de fornecer apenas 216 watts (18 amperes) na saída de 12V:

 

 

 

 

m1df5f106

57c489a9

A redistribuição da capacidade veio junto com o padrão ATX12V 2.0, que reduziu a capacidade recomendada de fornecimento nas saídas de 3.3 e 5V, priorizando a de 12V. Uma fonte atual é, tipicamente, capaz de fornecer 28 amperes ou mais na saída de 12V, com algumas dividindo a corrente em duas ou mais vias de 18A e outras oferecendo uma via unificada. Vamos aos detalhes:

O termo "rail" pode ser traduzido como "via" ou "trilho" e nada mais é do que um circuito separado dentro da fonte, responsável pelo fornecimento de uma das tensões.

Antes do padrão ATX, as fontes possuíam dois circuitos separados, um para a tensão de 5V e outro para a de 12V. Com o padrão ATX, foi adicionado um terceiro, responsável pela tensão de 3.3V. Todas as fontes fornecem também tensões de -5V e -12V, mas a corrente é muito baixa e elas não são mais usadas desde o século passado.

Em micros antigos (até o 486), a maioria dos componentes eram alimentados diretamente a partir da saída de 5V da fonte e a saída de 12V era usada apenas para os motores dos HDs, drives de disquete e coolers. Conforme foram sendo introduzidas técnicas mais avançadas de fabricação, os componentes passaram a utilizar tensões cada vez mais baixas, o que tornou necessário o uso de circuitos de regulagem de tensão.

Eles começaram como simples resistores que eliminavam o excesso na forma de calor (que não era um grande problema na época, já que os processadores consumiam pouca energia) e progrediram até chegarem aos complexos conversores DC/DC usados nas placas atuais.

Conforme o consumo dos processadores e placas 3D foi crescendo, as placas deixaram de usar as saídas de 3.3 e 5V e passaram a obter energia diretamente a partir da saída de 12V. O motivo é simples: com uma tensão maior, é possível transmitir a mesma quantidade de energia usando uma "amperagem" muito mais baixa, o que simplifica os projetos e permite atingir níveis bem maiores de eficiência. Hoje em dia, todos os processadores e placas 3D (que são os responsáveis por mais de 80% do consumo total do PC) são alimentados quase que exclusivamente pela saída de 12V da fonte.

Essa migração exigiu mudanças nos projetos das fontes. Um boa fonte ATX de 300 watts da década de 1990 era tipicamente capaz de fornecer 10 amperes na saída de 12V (120 watts), enquanto boas fontes de 400 ou 450 watts atuais fornecem 30 amperes ou mais.

A confusão surgiu com o padrão ATX12V 1.3, que recomendava o uso de um máximo de 18 amperes na saída de 12V (com um topo de 20 amperes, ou 240 watts), uma precaução contra a possibilidade de acidentes. Dentro do padrão, fontes capazes de fornecer mais do que isso nas saídas de 12V devem utilizar duas ou mais vias separadas, daí termos tantas fontes que são capazes de fornecer 400 watts ou mais, mas utilizam duas ou mais saídas independentes, cada uma limitada a um máximo de 18 amperes.

A configuração mais comum nesses casos é uma das vias ser usada para alimentar o conector de 24 pinos (que alimenta o processador e a maioria dos componentes) e a outra usada para os conectores molex e PCI Express, que alimentam a placa 3D e os drives. Nesse exemplo, temos uma Cooler Master de 360W, que utiliza duas vias de 12V, onde você pode exigir 15A (180 watts) de cada uma, desde que o total não ultrapasse 288 watts:

m224dff36

As duas vias podem ser obtidas através do uso de dois circuitos independentes (o que é muito raro, já que encarece a fonte) ou através de um único circuito de maior capacidade e dois limitadores de potência, que geram as duas vias separadas (o mais comum).

O grande problema é que caso os dispositivos ligados a uma das vias exijam mais do que 180 watts (imagine o caso de duas placas 3D em SLI, por exemplo), eles poderiam facilmente sobrecarregar a via em que estão ligados, fazendo com que a fonte desligasse, independentemente de quantas vias de 12V ela possuísse.

Em um PC "normal", com uma única placa 3D e um processador mediano, isso não chega a ser um grande problema, já que o processador (consumindo energia dos conectores de 24 e 4 pinos da placa-mãe) e a placa 3D (usando o conector PCIe, ou conectores molex) utilizariam vias separadas e seria muito difícil que cada um utilizasse sozinho mais do que 180 watts.

Entretanto, é fácil de atingir o limite ao usar duas placas em SLI, ou mesmo ao usar um processador quad-core em overclock, o que levou a Intel a flexibilizar a norma a partir do padrão ATX12V 2.0. Surgiram então as fontes "single +12V rail", onde toda a capacidade de fornecimento da fonte em 12V é oferecida em uma única via, eliminando a divisão.

Isso permite que os componentes se sirvam de energia à vontade, sem o antigo limite de 180 watts. Além de servir como um bom argumento de marketing, essa abordagem também reduz um pouco o custo de produção (já que não é mais preciso usar os limitadores de potência) e evita que você precise superdimensionar a capacidade da fonte, com medo de ultrapassar o limite de alguma das vias.

A Corsair VX450W, por exemplo, oferece 33 amperes (396 watts) através da via única de 12V, enquanto fontes maiores chegam a fornecer 1000 watts em uma única via:

m2703c340

Ao mesmo tempo em que isso é desejável, fornecer tanta energia em uma única via também oferece um certo risco, não apenas para o equipamento, mas também para quem o manuseia, por isso é importante comprar fontes single +12V rail de fabricantes responsáveis. Se a fonte não for bem construída, coisas realmente interessantes podem acontecer.

Criar um Site Grátis  |  Crear una Página Web Gratis  |  Create a Free Website Denunciar  |  Publicidade  |  Sites Grátis no Comunidades.net